Teatro Paulo Eiró

TEATRO PAULO EIRÓ

I- O Teatro

O Teatro Paulo Eiró tem o maior espaço de plateia, entre os dez teatros municipais, fora do centro da Cidade.

 

teatro_paulo_eiro_google

Homenageia o nosso poeta Paulo Francisco Emílio Salles (1836-1871), o Paulo Eiró.

Conta com 467 lugares, na plateia.

O Teatro Paulo Eiró foi inaugurado, em 1957 (23/3/1957).

Localiza-se na Avenida Adolfo Pinheiro.

O Teatro, depois de amplamente reformado, foi reinaugurado no dia 28 de Setembro de 2015.

Em 1992, o teatro foi tombado pelo Conpresp, como patrimônio histórico, cultural e arquitetônico de São Paulo.

Está em pleno funcionamento.

paulo_eiro_painel3

II- MURAL a PAULO EIRÓ

“Mural das Artes”, de Júlio Guerra

 Mural a Paulo Eiró. “Homenagem às Artes” – Painel:

Em 1968, em homenagem ao patrono, Paulo Eiró, que foi poeta, escritor e dramaturgo, nascido em Santo Amaro, foi instalado, em frente ao Teatro, um grande mural, de autoria de Júlio Guerra, com o título “Homenagem às Artes”. (21/1/1968).

A obra do painel tem 18 metros de comprimento, por 6 de altura.

(Não é feito em pastilhas, como alguns pensam).

O painel é feito em cimento armado e a arte é feita em mosaicos, de pedra.

É uma obra digna de ser apreciada.

Um comentário rápido sobre o majestoso painel de Homenagem às Artes:

Alguns detalhes do mural:

escultura_julio_guerra3_Fotor

Ao centro vê-se a figura/busto, de Paulo Eiró; à esquerda, três figuras femininas representam as três artes: a literatura, o teatro (dança) e a música.

A primeira traz na mão um pergaminho enrolado; a segunda, uma máscara; a terceira, um instrumento de corda.

À direita vemos a figura de Vênus de Calipígia, símbolo do amor profano; tem nas mãos uma folha de louro e tem ao lado uma ampulheta.

O louro significa vitória/glória. A ampulheta significa a caducidade do tempo e a ruína; a transitoriedade da glória e da dor.

Vê-se a seguir o poema de Paulo Eiró:

Logo acima, em alusão à antiguidade, vê-se a imagem do Coliseu Romano, uma Esfinge Egípcia e o Partenon Grego. (Tudo em ruínas…).

escultura_julio_guerra2_Fotor

Uma cortina de 16 m2 completa o painel, simulando a boca do palco, ou o palco da vida, onde nem tudo é real; muito da vida é teatro, é ficção!!! É discurso, é ilusão…

As figuras femininas, representando as três artes, têm 4,0 metros de altura, cada uma.

As figuras são separadas por algo que lembra uma coluna.

As três figuras de monumentos antigos significam a ruína da glória…

No verso, parte traseira do mural há outras mensagens que completam o painel, e podem servir como chave de interpretação do lado frontal.

A parte traseira não foi terminada. Restaram alguns fragmentos…

Nota: Este texto é parte integrante da obra Memorial de Santo Amaro, Romagem pelo Centro Histórico.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: